08/09/2020

Política de Segurança da Informação da UNICAMP

Conforme (Ofício Circular CITIC 01/2020), informamos que a Coordenadoria Integrada de Tecnologia da Informação e Comunicação criou em 09 de abril de 2019 através da (Portaria Interna CITIC/CGU nº 1/2019) o Comitê de Segurança da Informação (CSI) com a finalidade de propor, definir e orientar a implementação da estratégia de Segurança da Informação apoiada por Política de Segurança, Normas e Procedimentos. Como resultado do trabalho realizado, em 04/08/2020 foi publicada a (Deliberação CONSU-A-31/2020) que “Aprova a Política de Segurança da Informação da Universidade Estadual de Campinas - Unicamp”. Esta Política deve ser seguida por toda a comunidade universitária. O CSI está trabalhando em várias Instruções Normativas que complementarão as normas existentes. Em momento oportuno essas regras serão publicadas e deverão ser seguidas por todos os Órgãos.

14/08/18

Bem estar, legislação e novas tecnologias envolvendo a área de ciência em animais de laboratório encerram ciclo de palestras organizado pelo CEMIB

O aperfeiçoamento permanente dos profissionais que atuam na área da ciência em animais de laboratório e o contato com técnicas inovadoras e mais eficientes formaram a tônica das discussões realizadas na manhã da última sexta-feira (10) no CEMIB, durante o encerramento do ciclo de palestras de atualização dos servidores técnicos. As apresentações tiveram como base os temas presentes na programação do 15º Congresso da Sociedade Brasileira de Ciência em Animais de Laboratório (SBCAL), do 4º Encontro Latino Americano de Ciência em Animais de Laboratório e na Reunião Anual do International Council on Laboratory Animal Science (ICLAS) - realizados no mês de junho, em Goiânia.

Médica veterinária e responsável técnica do CEMIB, Clarice Yukari Minagawa Issei abordou as estratégias para melhorar o bem estar animal, começando pela definição, que pode variar de acordo com a área profissional. Enquanto para o biólogo o bem estar animal pode significar a ausência de sofrimento, para o veterinário pode ser a ausência de doença e para o zootecnista pode estar relacionado com as curvas de produção. Clarice ressaltou, entretanto, que é dever de todos oferecer o melhor de si para proporcionar esse bem estar. A especialista citou ainda as cinco liberdades dos animais, que incluem estarem livres de fome e sede, de desconforto causado por temperatura ou umidade, livres para expressar comportamento e livres de dor, ferimentos e doenças. Para dar conta dessas demandas, o trabalho em equipe é fundamental e cada profissional atua como uma das engrenagens de um sistema.

Técnico do setor de Criopreservação, Robson da Silva Pontes trouxe para a discussão os conceitos apresentados pelos pesquisadores Manuel Berdoy, da Inglaterra, Gilly Griffin, do Canadá, e Cindy Pekow, dos Estados Unidos, palestrantes do Congresso da SBCAL. A conclusão foi que "do berço ao túmulo" o animal de laboratório depende de um responsável e de um plano de ação que deve englobar a prevenção de sofrimento, ferramentas de treinamento e os endpoints, traduzidos como sinais fisiológicos ou comportamentais predeterminados que definem o ponto no qual a dor e/ou sofrimento de um animal experimental é encerrado, minimizado ou reduzido, a partir de ações como a eutanásia, conclusão do procedimento ou com tratamento para aliviar o sofrimento.

Os "Programas de controle de qualidade para roedores", abordados em Goiânia pela Dra. Marion Berard, uma das fundadoras do Consórcio Europeu de Gnotobiologia, foram apresentados aos técnicos do CEMIB pela supervisora do Laboratório de Controle Sanitário, Josélia Cristina de Oliveira Moreira. Entre as razões para se fazer o controle de qualidade, segundo Josélia, estão a variabilidade de resultados nas pesquisas, a invalidação e não reprodutibilidade dos resultados, a perda de animais e o risco de zoonoses para o profissional. Os elementos a serem monitorados durante o manejo estão incluem as amostras de unidades específicas como racks, isoladores e caixas, o processo de descontaminação, o adoecimento (com ou sem sinais clínicos) e a presença de agentes como bactérias, vírus e fungos. Essas análises podem ser feitas, por exemplo, por meio de testes de isoladores, autoclaves, ou programas sentinela.

Viviane Liotti Dias, técnica do Laboratório de Controle Genético do CEMIB, e Cristiane Vinagre, responsável pelo setor de expedição ressaltaram, entre outros aspectos, o relacionamento entre humanos e animais de laboratório, como lidar com a morte desses animais e os custos éticos. Cristiane pontuou que três sentimentos não podem se perder quando se trabalha com animais de experimentação: a bondade, a misericórdia e a compaixão. Elas apresentaram ainda pontos das legislações existentes, destacando-se a Lei Arouca, o Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA) e a Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA). Já Viviane apresentou algumas das inúmeras pesquisas realizadas a partir da experimentação animal e que resultaram em benefícios para a humanidade e para os próprios animais, como as vacinas, pesquisas sobre HIV, entre outras.

Fechando o ciclo de palestras, o técnico de bioterismo Rafael Máximo apresentou uma técnica que vem sendo empregada em centros de bioterismo com muito sucesso: a sanitização por vapor de peróxido de hidrogênio. A técnica consiste em empregar esta substância na esterilização de ambientes, uma vez que sendo vapor o peróxido alcança a todos os pontos do ambiente que está sendo tratado. Atualmente, muitos biotérios utilizam o formol. O peróxido de hidrogênio, entretanto, tem se mostrado mais eficiente, pois quebrando as moléculas de DNA e RNA ele mata todos os patógenos do ambiente, além de ser mais seguro do ponto de vista da saúde humana. Entre as vantagens, o componente químico não requer altos níveis de umidade e traz menor dano ambiental. A desvantagem implica em custos.

As apresentações, realizadas nas duas últimas sextas-feiras, demonstram o olhar do CEMIB para o futuro e sua atenção às inovações que vem ocorrendo no setor. A iniciativa promoveu a integração entre as diferentes áreas do Centro de Bioterismo e possibilitou que os técnicos e profissionais da instituição atuassem como multiplicadores do conhecimento. E essa foi uma das contrapartidas do apoio oferecido pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) para que os colaboradores pudessem participar do evento em Goiânia.

06/08/18

CEMIB promove ciclo de palestras de atualização para servidores

A iniciativa é resultado do Congresso Internacional realizado pela SBCAL, em Junho, e tem como objetivo fomentar a atualização e a troca de conhecimento entre as diferentes áreas

O Centro Multidisciplinar para Investigação Biológica na Área da Ciência em Animais de Laboratório (CEMIB) promoveu na manhã desta sexta-feira (3/8) o primeiro ciclo de palestras de atualização dos servidores técnicos. Os temas foram apresentados a partir das novidades trazidas do 15º Congresso da Sociedade Brasileira de Ciência em Animais de Laboratório (SBCAL), do 4º Encontro Latino Americano de Ciência em Animais de Laboratório e da Reunião Anual do International Council on Laboratory Animal Science (ICLAS). Os três eventos foram realizados na capital goiana, de 16 a 19 de junho, e contaram com a participação de 18 servidores do Centro de Campinas, que agora compartilham o aprendizado com os seus pares. O próximo debate já tem data marcada para o dia 10 de agosto.

As palestras evidenciam o esforço do CEMIB em possibilitar que além das equipes especializadas os próprios técnicos e profissionais da instituição possam atuar como multiplicadores do conhecimento. Essa foi inclusive uma das contrapartidas do apoio oferecido pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) para que os colaboradores pudessem participar do evento em Goiânia. A iniciativa também estimula a construção do diálogo e a conexão entre as diferentes áreas do Centro de Bioterismo da Unicamp, ou seja, a integração entre equipes, pesquisadores e técnicos.

Compartilhando as informações sobre refinamento e meios práticos de implementação apresentadas em palestra proferida pesquisadora Dra. Judy MacArthur Clark, da Inglaterra, as técnicas Jhenifer Alves e Maria Rita Silveira ressaltaram os "3R's" como métodos que evitam ou substituem o uso de animais na experimentação, além da possibilidade de redução do número de animais sem que haja prejuízos na qualidade do experimento. A dupla também abordou a importância de se adotar métodos que minimizam o sofrimento e melhoram o bem- estar animal, incluindo as novas tecnologias, melhora no manejo, uso de técnicas menos invasivas, protocolos bem definidos de anestesia, analgesia, e uso de anti-inflamatórios capazes de reduzir a dor, angústia e o sofrimento.

As perspectivas em enriquecimento ambiental, apresentadas pela pesquisadora americana Cynthia Pekow no Congresso Internacional, foi um dos temas apontados pelos técnicos Elson André da Silva e Alda José Antônio como necessários à manutenção do bem-estar dos animais de laboratório. Estudos científicos e as próprias observações feitas pelos profissionais do CEMIB durante a rotina de trabalho indicam que o excesso ou a falta de enriquecimento no espaço podem ser fatores geradores de estresse para o animal. Se por um lado o enriquecimento do espaço pode aumentar a reprodutibilidade de fêmeas, por exemplo, por outro lado, o espaço apertado pode dificultar a locomoção e o preparo do ninho.

Tema de uma das palestras da pesquisadora americana Ann Turner, em Goiânia, "O animal mais importante no laboratório - o homem", foi debatido pelos técnicos Joel Alberto Prezzi e Jéssica Maria Inácio. A lógica é: quem cuida, também precisa de cuidado. O debate chama a atenção para o quanto o estado físico e emocional de um bioterista pode refletir no bem-estar do animal durante o manejo. Daí a importância de se fomentar a prática de atividade física e de hobbys, pois não apenas melhoram a qualidade de vida dos funcionários, mas também refletem na execução do trabalho junto aos animais de pesquisa.

Integrante da equipe de criopreservação, o técnico Alex Vinícius de Campos abordou as estratégias para a prevenção e melhora do bem-estar animal, o que inclui os programas de treinamento e educação continuada nos centros de bioterismo, a importância do trabalho executado pelos comitês de ética e os programas de cuidado veterinário. A conclusão do debate é que o planejamento de rotinas, eficiência e a comunicação entre as áreas tendem a trazer bons resultados. Outro tema necessário e de suma importância apresentado no primeiro ciclo de palestras foi a eutanásia humanizada. Técnica do laboratório de genética, Ana Paula Gimenes levou os casos em que há a indicação, os métodos utilizados (químicos, físicos) adequados à idade e à espécie, e a necessidade de humanização no processo de eliminação.

03/07/18

CEMIB participa de Congresso Internacional promovido pela SBCAL

Evento realizado em Goiás apresentou novidades e promoveu debates relacionados ao uso de animais de laboratório.

Profissionais do Centro Multidisciplinar para Investigação Biológica na Área da Ciência de Animais de Laboratório (CEMIB) participaram do 15º Congresso da Sociedade Brasileira de Ciência em Animais de Laboratório (SBCAL), 4º Encontro Latino Americano de Ciência em Animais de Laboratório e da Reunião Anual do International Council on Laboratory Animal Science (ICLAS). O evento foi realizado em Goiânia, entre os dias 16 e 19 de junho, e teve como objetivos discutir os temas relacionados ao uso de animais em pesquisa e ensino e apresentar iniciativas de sucesso já implementadas na área.

Durante o encontro, foram realizados minicursos, mesas redondas e conferências apresentadas por pesquisadores do Brasil, Estados Unidos, Japão, Canadá, Argentina e outras nacionalidades. Entre os temas abordados estavam as estratégias e tentativas para melhorar o bem-estar animal, a legislação nas pesquisas com animais, o programa de controle de qualidade para roedores e os animais de produção em pesquisa.

Ao todo, 18 funcionários tiveram a oportunidade de participar do encontro que contou com recursos do CEMIB e o apoio da Escola de Educação Corporativa da Unicamp (Educorp).

A produção de animais geneticamente modificados trouxe um salto qualitativo na área da ciência em animais de laboratório e contribui para o entendimento de várias doenças humanas. Contudo, exigem uma alta capacitação técnica para serem produzidos.

A participação expressiva de funcionários do CEMIB reforça a visão de futuro deste Centro. E a iniciativa ressalta o papel de destaque da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) na área de ensino e pesquisa.



CEMIB – Centro Multidisciplinar para Investigação Biológica na Área da Ciência em Animais de Laboratório - UNICAMP